Bolsas, petróleo e ouro sobem com otimismo na frente comercial

As bolsas europeias arrancaram a sessão em terreno positivo esta quarta-feira, beneficiando do otimismo que está a impulsionar os restantes mercados, depois de Donald Trump ter admitido alargar o período de tréguas comerciais com a China que acaba a 1 de março caso esteja iminente um acordo entre as das maiores economias do mundo. O presidente chinês, Xi Jinping, vai receber na sexta-feira o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e o representante do Comércio, Robert Lighthizer, para mais uma sessão de negociações. Nos últimos dias também tem sido noticiada a possibilidade do presidente norte-americano encontrar-se com Xi Jinping.

Os principais índices europeus marcam ganhos em torno de 0,4%, depois das bolsas asiáticas terem atingido máximos de quatro meses, onde se destacou o índice chinês CSI300, que subiu 2% para máximos de setembro de 2018. “Na pré-abertura, os índices europeus ensaiavam em alta, refletindo o bom desempenho dos mercados americanos e asiáticos”, antecipavam os analistas do BPI.

O Stoxx 600, o índice que agrega as 600 principais cotadas europeias, avança 0,38% para os 364,15 pontos, negociando em máximos de uma semana. O índice europeu soma três sessões consecutivas de ganhos. Tal como na sessão de ontem, o setor automóvel continua a destacar-se pela positiva.

A bolsa nacional é a exceção: depois de ter começado a sessão em alta, o PSI-20 perde 0,27% para os 5.117,86 pontos. Em Lisboa, agora a tendência é negativa. O BCP está a negociar em baixa assim como as cotadas do setor do papel. O destaque vai para a queda de 1% da Navigator, que anunciou um aumento de 8% nos lucros de 2018 e que Diogo da Silveira vai deixar de ser o CEO a partir de abril.